a vanguarda antropofágica

1 08 2010

come obra.





Texticulini 01.10

21 06 2010

meu amor, se você puder,

compra legumes pra sopa.

deixa a sacola na minha porta,

que eu faço tudo quando chegar.





Cartas do fim do mundo

10 12 2009

Este sábado (12/12/09), tem lançamento da coletânea “Cartas do fim do mundo”, na Livraria Martins Fontes, da Paulista.

São 12 escritores contemporâneos. E um tema: “diante da morte, cada autor escolhe um personagem  e escreve uma última carta endereçada a esse alguém”, como resumiu Marne Lucio Guedes que integra a coletânea junto com Moacyr Scliar, Raimundo Carrerro, Menalton Braff, Xico Sá, Marcelino Freire, Marcio Souza, entre outros.





Texticulini 05.09

2 12 2009

Sempre há espaço entre. Saber disso é uma estratégia para evitar mortes precoces. Antes da hora não me atiro no abismo. E é em rodeios, num pé só, sentindo o frio do vácuo, que vou passar a maior parte do tempo. Pra esse tempo vou exclamar cansaço nas horas mais alegres. Vou querer o invisível, a dissolução completa no amortecimento. E ainda, vou querer ser um pra um – resgates de coisas que não foram. Vou acreditar que ele entende o meu olhar quando olha de volta com o rosto inclinado. Citarei intuição e ainda terei impulsos, antes de voltar para o cálculo. Sempre há espaço, entre.





hey juge, por um engenheiro

2 12 2009

para Dario.





do corpo casulo

5 11 2009

2176814994_044bedc510

sessão de número 15. perninhas aos céus. em dois meses, tudo mudou.

por fora, as coisas continuam, como dizer, mais ou menos iguais. mas, bem, mudadas. na praia, posso ler sem camiseta e ainda prestar atenção. posso caminhar, arriscar alguns passos de corrida e ainda manter conversação amistosa com o namorado sem achar que ele está reparando em minha barriga maior que a das outras.

mas se a minha barriga continua praticamente a mesma (praticamente é de uma imprecisão constrangedora, perdão) o que mudou foi mesmo aquela coisa de como me relaciono com ela.

logo nas primeiras aulas de pilates, tive dores cretinas. que um, dois, três dias depois continuavam doendo. da dor, a vontade de abraçar pedaços que antes despertavam vergonha. simples assim, como ele descreveu a maturidade, recentemente: você vai ficando velho e começa a doer, então, está na hora de dar atenção aos problemas reais, palpáveis e resolvíveis.

ajuda rasgar-se dos preconceitos do piegas e dizer asneiras úteis: corpo, eu te amo e te quero bem. Não te quero como me mandam te querer, ideologicamente correto e photoshopado. te quero como você vier, no acolhimento que é físico – te dar colo. e

____________ reocupar o espaço do corpo. assumi-lo sem distorções diante do espelho e dos outros corpos. que como o seu, são cheios das especificidades. impedir que cada pentelho fora do lugar se transforme em um dilema. sem vergonha de ir e vir, ver e ser visto e talvez até, tocado. um corpo que te pertence, mas que você não o controla. rupturas com o poder da mente, soberana.

não consigo manter as perninhas no céu por muito tempo. ainda. metas pro corpo, carinhosas. em três anos, treinos de bicicleta, corrida e natação. cremes, complexos vitamínicos e aqueles hormônios (?) que a gente libera com os esportes (como é mesmo?) e que deixam a gente feliz. de volta a nossa casa-casca.

* Obra de Marcelo Pitel.





caderno de “lugares-comuns”

28 10 2009

nas leituras recentes, descobri que cadernos de “lugares-comuns” existem. antes de dizer o que são, me assombra reconhecer que existem. ou que exista coisa com esse nome. a princípio, quando só tinha lido o título do artigo, pensei se tratar de um inventário dos julgamentos do senso comum, daquilo que a vovó já dizia. depois, pensei que era coisa de urbanista: comum=público, caderno de “lugares-comuns” seria, portanto, um mapeamento das praças, parques e demais espaços humanizados. mas não, caderno de “lugares-comuns” era simplesmente o suporte das anotações de leituras dos humanistas da tipologia escolástica. explicando, os moços liam coisas e mais coisas, e num bloquinho (que devia ser de coro e com encadernação costurada) iam anotando as coisas mais importantes, fragmentos, achismos, relações.  depois faço deste blog, blog de “lugares-comuns” e posto um fragmento aqui.








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.